Arquivo da tag: Cinema Sala P.F. Gastal Usina do Gasômetro

GÁS! DE ROGER CORMAN NO PROJETO RAROS!

gasss_02

Uma nova arma química é testada pelo exército provocando um efeito inesperado, o gás letal se espalha pela atmosfera do planeta matando qualquer ser humano com a idade acima de 25 anos. Assim o mundo inesperadamente fica sob total controle dos jovens. Repleta de psicodelia, humor nonsense e rock’n’roll, esta comédia apocalíptica dirigida pelo lendário Rei dos Filmes B,  Roger Corman, é o próximo filme que o Projeto Raros apresenta na Sala P. F. Gastal, sexta-feira, 04 de outubro, às 20 horas.

Realizado durante a efervescência do movimento flower power, Gás! da continuidade a uma série de filmes anárquicos envolvendo a contracultura americana que começaram a ser produzidos após o sucesso de Sem Destino (Easy Rider, 1969), de Dennis Hopper. Descontente com os cortes impostos pelos produtores e pela péssima recepção nas gas_01bilheterias, Gás! foi a última parceria de Roger Corman com a produtora AIP, com quem havia realizado dezenas de filmes. Corman dirigiria apenas mais um filme nos anos setenta, O Barão Vermelho (Von Richthoffen and Brown, 1971), voltando à direção apenas em 1990 com Frankenstein – O Monstro das Trevas (Frankenstein Unbound). Nesse período longe da direção Corman seguiu com a carreira de produtor que o tornara lendário, realizando entre 1954 até agora mais de 300 filmes.

Uma curiosidade de Gás! é a presença da então desconhecida atriz Tally Coppola, que a partir de O Poderoso Chefão (1972), dirigido pelo seu irmão Francis Ford Coppola, passaria a ser conhecida como Talia Shire.

A sessão será comentada por mim e pelo crítico Cesar Almeida, organizador do livro Cemitério Perdido dos Filmes B – Exploitation.

Gás! (Gas! -Or- It Became Necessary to Destroy the World in Order to Save It / EUA /1970), de Roger Corman. Entrada Franca.

Deixe um comentário

Arquivado em Divulgação, Humor, Mostras, nonsense, Sci-fi

Sessão Aurora apresenta “Eles Vivem”!

they-live-head

“A Sessão Aurora apresenta neste sábado, 3 de agosto, às 18h, na Sala P. F. Gastal (3º andar da Usina do Gasômetro), Eles Vivem, uma das principais obras-primas de John Carpenter. Após a sessão, haverá um debate com os editores da revista Aurora e do Zinematógrafo.
O filme parte da chegada de John Nada (Roddy Piper) a uma Los Angeles de conflitos estéticos, onde miséria e riqueza contrastam nas esquinas, nas lojas e nos supermercados. A concentração do poder, através da mídia, do capital econômico e cultural, se faz presente no cotidiano de todos os habitantes, mesmo que de forma invisível. John, trabalhador autônomo, andarilho das cidades em busca de empregos para seguir se alimentando, é o retrato da mão de obra braçal das metrópoles em meio ao desenvolvimento vertical. Enquanto trabalha na construção civil, o protagonista logo percebe a movimentação de um pequeno grupo que age no submundo da cidade para tentar revelar a grande farsa pela qual a classe dominante exerce seu poder. Utilizando óculos especiais, ele consegue ver o que realmente está por trás de cada imagem que compõe o cenário da cidade.
Fruto de uma década consagradora para o cinema de Carpenter, momento em que o cineasta lança filmes como A Bruma Assassina, Christine, o Carro Assassino, Enigma do Outro Mundo, Fuga de Nova York, Eles Vivem é um de seus trabalhos mais abertamente políticos, dono de uma ironia crítica fulminante que transcende as questões mais pontuais de sua época. Do ponto de vista estético, para além de seu conteúdo ideológico, o filme também é sintomático na obra do americano, com destaque para a célebre e longa sequência na qual dois personagens trocam socos e pontapés em um beco de Los Angeles.
Eles Vivem (They Live), EUA, 1988, cor, 93 minutos. Direção: John Carpenter. Com Roddy Piper, Keith David, Meg Foster, George ‘Buck’ Flower, Peter Jason, Raymond St. Jacques. O filme será exibido em DVD com legendas em português.”

(Pedro Henrique Gomes)

they-live3

 

 

1363415490181

1 comentário

Arquivado em Ação, humor negro, Sci-fi, Thriller

PROJETO RAROS ESPECIAL CEMITÉRIO PERDIDO DOS FILMES B: EXPLOITATION- UP! O EROTISMO ANÁRQUICO DE RUSS MEYER

Sexta-feira (7 de junho) às 20h, o Projeto Raros da Sala P.F.Gastal (3° andar da Usina do Gasômetro) faz o lançamento do livro Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation, seguido da exibição de UP!, de Russ Meyer. Após a sessão debate comigo e com os parceiros do crime, os também autores Cesar Almeida, Carlos Thomaz Albornoz e Marco A. Freitas . Entrada Franca. (Censura 18 anos).

UP!

Imagem

Existe algo de anárquico na obra de Russ Meyer que eleva seu cinema além do erotismo fácil da exploração gratuíta dos corpos. Na epiderme de seu trabalho corre um humor libertário, impregnado de violência, um deboche acurado que desestabiliza costumes e regras morais através de uma narrativa caótica que por vezes beira o nonsense. A profusão de corpos nus, de mulheres opulentas e homens priaprícos, serve como arma para desnudar desejos e perversões de uma sociedade castradora e hipócrita. A América de Russ Meyer clama secretamente por um gozo alucinante. “Nada é obsceno desde que seja feito com mau gosto”, costumava dizer um provocatico Meyer.

Um dos últimos trabalhos de sua carreira como diretor, Up! é uma obra crepuscular que somatiza características peculiares ao estilo de Meyer; para ele o sexo era um elemento superlativo. Mulheres de seios monumentais, homens brutos e apalermados ostentando ereções monstruosas, êxtase sexual constante, violência gráfica de tons cartunescos, up02tudo isso costurado por uma narrativa amalucada em prol da provocação e do deboche das convenções sociais e dos tabus sexuais.O olhar apurado de Meyer, que foi um notório fotógrafo da revista Playboy durante os anos 1950, capta planos inusitados, sempre valorizando os fartos seios de suas atrizes,  enquanto realiza com furor sequências de humor, violência e erotismo. Kitten Natividad, uma de suas atrizes fetiche, funciona como um coro grego para narrar a estranha trama whodunit que se desenrola em meio a maratona sexual promovida pelas personagens de Up!. Quem matou Adolf  Schwartz? Um Hitler genérico adepto de práticas masoquistas que é castrado por um peixe colocado criminosamente em sua banheira. Esse enigma pouco interessa às personagens, que preferem se dedicar a incessantes e divertidas aventuras sexuais invés de se preocupar com o assassinato. Enquanto Paul (Robert McLane) e Sweet Lil Alice (Janet Wood) gozam bucolicamente em meio aos campos, Margo Winchester (Raven De La Croix), a garçonete local, enlouquece os homens transformando-os em verdadeiros predadores sexuais, e o xerife Homer Johnson (Monty Bane), despreocupado com o crime, prega a lei a sua maneira, utilizando mais seu pênis do que sua arma.

A cena de abertura com Adolf  Schwartz sendo alegremente sodomizado por um membro descomunal e submetido a sessões de sadomasoquismo, é uma verdadeira zoação de ImagemRuss Meyer (ex-combatente e fotógrafo da 2° Guerra Mundial), não apenas com a figura histórica de Hitler, mas com todas as autoridades morais que impestam nossa sociedade pregando de forma ditatorial éticas sexuais hipocritamente castradoras. A sequência histérica, onde um lenhador brutamontes de apetite sexual descontrolado tenta violentar Margo Winchester, culminando num hilário banho de sangue após uma luta envolvendo  machados e uma motoserra, é um exemplo da insanidade narrativa de Meyer, que mescla habilmente os gêneros, indo prontamente do erotismo ao mais puro grand guignol.

Carl Jung disse que “o cinema torna possível experimentar sem perigo, toda a excitação, paixão e desejo que deve ser reprimida numa humanitária ordem de vida”, e o erotismo libertário e provocador  proposto pelo cinema de Meyer tende a corroborar essa afirmação, tendo o sexo e o humor como as mais poderosas armas de subversão.

(texto originalmente publicado no livro Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation)

1 comentário

Arquivado em Comédia, Divulgação, Erótico, exploitation, humor negro

Segue a Semana do Medo Com Clássicos do Horror na Sala P.F. Gastal!

Imagem

O Enigma do Outro Mundo (The Thing, 1982)

Aproveitando o mote do 40º aniversário de lançamento do clássico O Exorcista, de William Friedkin (que teve sua premiére em junho de 1973, na cidade de Nova York), a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) segue exibindo até o dia 2 de junho uma mostra reunindo este e outros filmes célebres que marcaram o cinema de horror nas últimas décadas.
Além do apavorante filme de Friedkin sobre a menina possuída pelo demônio – que está sendo exibido na versão do diretor, com 10 minutos a mais de duração –, a mostra Obras-Primas do Cinema de Horror inclui títulos como Freaks, de Tod Browning, O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski, Carrie, a Estranha, de Brian DePalma, e Alien, o 8º Passageiro, de Ridley Scott, entre outros. Nesta segunda semana da mostra, mais dois títulos integram a programação, O Vampiro da Noite, de Terence Fisher, e O Enigma de Outro Mundo, de John Carpenter.
A mostra Obras-primas do Cinema de Horror tem o apoio da distribuidora MPLC.

PROGRAMAÇÃO
O Exorcista (The Exorcist), de William Friedkin (Estados Unidos, 1973, 132 minutos)
Em Georgetown, Washington, uma atriz (Ellen Burstyn) vai gradativamente tomando consciência de que sua filha de 12 anos (Linda Blair) está tendo um comportamento assustador. Desesperada, ela pede ajuda a um padre, que também é psiquiatra (Jason Miller), e este chega à conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote (Max von Sydow), especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão. Exibição em Blu-ray.

O Bebê de Rosemary (Rosemary’s Baby), de Roman Polanski (Estados Unidos, 1968, 136 minutos)
Um jovem casal, Rosemary (Mia Farrow) e Guy Woodhouse (John Cassavetes), se muda para um prédio habitado por estranhas pessoas, onde coisas bizarras acontecem. Quando a mulher engravida, passa a ter alucinações e vê seu marido se envolver com os vizinhos, uma seita de adoradores do demônio que quer que ela conceba o Filho das Trevas. Exibição em Blu-ray.

Alien, o 8º Passageiro (Alien), de Ridley Scott (Estados Unidos/Inglaterra, 1979, 116 minutos)
Uma nave espacial, ao retornar para a Terra, recebe estranhos sinais vindos de um asteróide. Ao investigarem o local, um dos tripulantes é atacado por um estranho ser. O que parecia ser um ataque isolado se transforma em um terror constante, pois o tripulante atacado levou para dentro da nave o embrião de um alienígena, que não pára de crescer e tem como meta matar toda a tripulação. Uma das mais bem sucedidas combinações de horror e ficção científica da história do cinema, em filme que inaugurou uma série de sucesso e revelou o talento da atriz Sigourney Weaver. Exibição em Blu-ray.

O Iluminado (The Shinning), de Stanley Kubrick (Inglaterra/Estados Unidos, 1980, 146 minutos)
Durante o inverno, um aspirante a escritor (Jack Nicholson) é contratado para trabalhar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). O contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de terríveis acontecimentos ocorridos no local. Um dos grandes trabalhos de Stanley Kubrick, que adapta com virtuosismo o romance de Stephen King. Exibição em Blu-ray.

Carrie, a Estranha (Carrie), de Brian DePalma (Estados Unidos, 1976, 98 minutos)
Carry White (Sissy Spacek), uma jovem tímida, tem poderes cinéticos, e é reprimida pela mãe, uma fanática religiosa (Piper Laurie). Menosprezada pelos colegas, durante o baile de formatura da escola irá usar seu dom para promover uma vingança sangrenta. Eficiente adaptação do romance de Stephen King. Exibição em DVD.

Os Inocentes (The Innocents), de Jack Clayton (Inglaterra/Estados Unidos, 1961, 100 minutos)

Algo e estranho e sinistro estava acontecendo naquela casa, pensou Miss Giddens (Deborah Kerr), contratada para cuidar de Flora e Miles, dois irmãos que ficaram órfãos em circunstâncias misteriosas. Com o passar do tempo, Miss Giddens acredita que existe alguma coisa escondida nas trevas da mansão, fazendo com que as crianças tenham um comportamento muito assustador. A jovem governanta não sabe se terá forças para enfrentar esse perigo oculto na face de crianças inocentes. Impecável transposição cinematográfica da famosa novela de Henry James, A Outra Volta do Parafuso. Exibição em DVD.

Freaks, de Tod Browning (Estados Unidos, 1932, 62 minutos)
Em um circo, um grupo de personagens interpretados por atores com diferentes tipos de deficiência física se vingam da bela e cruel trapezista Cleópatra. Clássico de 1932 que abalou a sociedade da época, foi rejeitado, trancafiado e somente após 30 anos, na década de 60, novamente redescoberto, passando a exercer grande influência em artistas como a fotógrafa Diane Arbus e o cineasta David Lynch. Exibição em DVD. Legendas em espanhol.

Uma Sepultura na Eternidade (Quatermass and the Pitt), de Roy Ward Baker (Inglaterra, 1967, 97 minutos)
Trabalhando na construção de uma nova linha do metrô em Londres, um grupo de operários encontra a carcaça do que acreditam ser um artefato bélico pertencente aos alemães, da época da Segunda Guerra Mundial. Porém, quando um especialista investiga o objeto, todos descobrem que ele guarda um outro grande segredo. Exibição em DVD. Legendas em espanhol.

Um Lobisomem Americano em Londres (An American Werewolf in London), de John Landis (Inglaterra/Estados Unidos, 1981, 97 minutos)
David Kessler (David Naughton) e Jack Goodman (Griffin Dunne) são colegas de colégio, que vieram dos Estados Unidos para conhecer a Inglaterra. Pedindo carona nas estradas, eles chegam a uma pequena cidade, onde são atacados por um lobo. As consequências do ataque serão assustadoras. Exibição em DVD.

O Vampiro da Noite (Horror of Dracula), de Terence Fisher. Inglaterra, 1957, 82 minutos.
Clássica adaptação da Hammer Filmes para o romance Drácula, de Brasm Stoker, encarnado pelo ator Christopher Lee, que se imortalizaria com sua elegante criação do conde da Transilvânia. Exibição em DVD.

O Enigma do Outro Mundo (The Thing), de John Carpenter. Estados Unidos, 1982, 108 minutos,
Em uma estação de pesquisa na Antártica, um grupo de cientistas precisa enfrentar uma assustadora forma alienígena. Uma das obras-primas de John Carpenter, um mestre do cinema de horror, que refilma com virtuosimo o clássico O Monstro do Ártico.

GRADE DE HORÁRIOS
Segunda Semana (28 de maio a 2 de junho de 2013)
28 de maio (terça-feira)
15:00 – O Vampiro da Noite
17:00 – Carrie, a Estranha
19:00 – O Exorcista

29 de maio (quarta-feira)
15:00 – Freaks
17:00 – O Enigma do Outro Mundo
19:00 – Uma Sepultura na Eternidade

30 de maio (quinta-feira)
15:00 – Um Lobisomem Americano em Londres
17:00 – Freaks
19:00 – O Bebê de Rosemary

31 de maio (sexta-feira)
15:00 – Os Inocentes
17:00 – Alien, o 8º Passageiro
19:00 – O Iluminado

1º de junho (sábado)
15:00 – O Vampiro da Noite
17:00 – O Enigma do Outro Mundo
19:00 – O Bebê de Rosemary

2 de junho (domingo)
15:00 – Freaks
17:00 – Um Lobisomem Americano em Londres
19:00 – Uma Sepultura na Eternidade

Deixe um comentário

Arquivado em Horror, Mostras, Sci-fi, splatter, Suspense, Thriller

PREPAREM-SE PARA A VINGANÇA DOS FILMES B-PARTE 2!

Street Trash (1987), de Jim Muro

“A vingança é uma espécie de justiça selvagem”. (Francis Bacon)

De 23 a 25 de novembro a Sala P.F.Gastal (3° andar da Usina do Gasômetro) recebe a segunda edição da mostra “A Vingança dos Filmes B”!

O termo “Filme B” surge durante os anos 1920 para classificar produções baratas de pequenos estúdios (westerns, suspenses, seriados de aventura), que serviam de complemento em sessões duplas para os filmes Classe A, ou seja, aqueles realizados pelos grandes estúdios com orçamentos milionários e grandes estrelas. Os “Filmes B” eram feitos a toque de corda, em poucos dias, com astros de terceira e orçamento irrisório. Existia uma área em Hollywood conhecida como Powerty Row (cinturão da pobreza), por reunir diversas produtoras independentes que forneciam filmes de baixo orçamento que eram comprados e distribuídos pelos grandes estúdios. Esse sistema funcionou até o final dos anos 1950, quando acaba a chamada “Era de Ouro de Hollywood”. Apesar da deturpação de seu contexto original, e das modificações na simbiose entre os grandes estúdios e os produtores independentes, o termo Filme B sobreviveu adquirindo conotações diferentes, mas ainda é uma boa definição para filmes de gênero realizados fora do sistema dos estúdios, com orçamento limitado, atores desconhecidos e temática fora dos padrões. Porém, hoje a tela dos cinemas é uma realidade distante para a maioria destas produções que lutam por um espaço público de exibição.

A mostra A Vingança dos Filmes B foi concebida para servir de vitrine para produções independentes que flertem com o cinema de gênero, funcionando como um espaço democrático onde coexistam os mais variados tipos de

A vingança é plena em “Amarga Hospedagem”, de Cláudio Guidugli.

expressão cinematográfica, do horror à comédia, passando pelos filmes sci-fi e pelo cinema de ação, sem se importar com o orçamento investido (sejam produções rebuscadas ou de orçamento zero), ou com o suporte de realização. Produções em película, digital e VHS ocupando pacificamente o mesmo espaço. Um evento destinado ao resgate e a divulgação de filmes independentes, bizarros, engraçados ou assustadores, incentivando o público a dialogar com obras que dificilmente encontram espaço nas telas dos cinemas.

Chegou a hora dos independentes retomarem o seu espaço nas telas, mas não como meros coadjuvantes, e sim como atração principal! Está na hora da Vingança dos Filmes B-Parte 2!

PROGRAMAÇÃO

A VINGANÇA DOS FILMES B – PARTE 2

(ENTRADA FRANCA / CLASSIFICAÇÃO: 16 ANOS)

 Sexta-Feira, 23 de Novembro.

19h30- Horror.Doc (72’), de Renata Heinz

(OBS: Após a sessão debate com Renata Heinz)

Sábado, 24 de novembro

15h- 20 Anos de Canibal Produções: Baiestorf: Filmes de Sangreira e Mulher Pelada (20’),Christian Caselli + Boi Bom (12’)  + Blerghhh (50’) (Após a sessão debate com Petter Baiestorf)

17h30- Sessão Trash’O’Rama: Cachorro do Mato (15’), de Maurício Ribeiro + Amarga Hospedagem (60’), de Claúdio Guidugli

(OBS: Após a sessão debate com o realizador Cláudio Guidugli)

19h30- Sessão de Curtas I: O Solitário Ataque de Vorgon (6’), de Caio D’Andrea + Rango (6’), de Rodrigo Portela + Morte e Morte de Johnny Zombie (14’), de Gabriel Carneiro + Sangue e Goma (11’), de Renata Heinz + Vontade (10’), de Fabiana Servilha + Nove e Meia (20’), de Filipe Ferreira + Rigor Mortis (20’), de Fernando Mantelli e Marcello Lima.

(OBS: Após a sessão debate com os realizadores)

(total: 87 minutos)

Domingo, 25 de Novembro

15h- A Noite do Chupacabras (95’), de Rodrigo Aragão

17h- Maldita Matiné: Testículos (15’), de Christian Caselli + Street Trash, de Jim Muro (90’)

19h30- Sessão de Curtas II: Raquetadas Para a Glória (7’), de TV Quase + X-Paranóia (14’), de Cristian Cardoso e Felipe Moreira  + DR (10’),de Joel Caetano e Felipe Guerra + Confinópolis – A Terra dos Sem Chave (16’), de Raphael Araújo +  O Curinga (14’), de Irmãos Christofoli + Coleção de Humanos Mortos (20’), de Fernando Rick + Rackets in London- The Olympic Dream (7’), de TV Quase

(Total: 89 minutos)

(OBS: Após a sessão debate com os realizadores)

LONGAS:

Horror.DOC, de Renata Heinz (RS, 2012, 72 minutos). Com Rodrigo Aragão, Paulo Biscaia, Carlos Primati / Horror.DOC se propõe a decifrar o passado e o futuro do cinema de horror no Brasil, através de entrevistas com diretores, críticos e pesquisadores do gênero. Um pungente panorama do horror no cinema brasileiro com depoimentos de diretores como Rodrigo Aragão (Mangue Negro, A Noite do Chupacabras), Paulo Biscaia (Morgue Story, Nervo Craniano Zero), e especialistas no gênero, como Laura Canepa e Carlos Primati.

Horror.DOC, de Renata Heinz

A Noite do Chupacabras, de Rodrigo Aragão (ES, 2011, 95 minutos). Com Joel Caetano, Petter Baiestorf, Walderrama dos Santos / Cegas pelo ódio, duas famílias rivais entram em confronto sem perceber que um mal maior se esconde na escuridão da floresta, se alimentando de medo e sangue. Uma violenta trama de horror e vingança que fez jorrar sangue novo no cinema independente brasileiro. Ao mesclar mitos regionais e gore oitentista, o diretor capixaba Rodrigo Aragão apontou novas possibilidades para a sedimentação do cinema fantástico no Brasil.

A Noite do Chupacabras, de Rodrigo Aragão

Amarga Hospedagem, de Claúdio Guidugli (RS, 2011, 60 minutos). Com Roberto de Paula, Franciele Cacimiro  / Ao praticarem mountain bike numa região rural do interior do RS, grupo de ciclistas é capturado por um psicopata sádico. Os incautos ciclistas precisam lutar para não serem transformados em lingüiça, mas nem todos são inocentes como aparentam. Um sangrento e divertido thriller de ação e horror produzido na pequena cidade de Roca Sales, no Vale do Taquari. Amarga Hospedagem foi inteiramente gravado com uma cyber-shot, com elenco composto por atores amadores, orçamento zero e muita criatividade, transformando uma produção tecnicamente precária num divertido exercício de cinema de gênero.

Amarga Hospedagem, de Cláudio Guidugli

Street Trash, de Jim Muro (EUA, 1987, 91 minutos) / Clássico gore oitentista sobre um grupo de mendigos que começam a derreter após beberem whisky contaminado. Um festival de insanidade e escatologia, repleto de fluídos corporais e personagens bizarros. Único longa-metragem de Jim Muro, que se tornaria nos anos seguintes um dos mais requisitados especialistas em steadycam de Hollywood, trabalhando em filmes como True Lies e X-Men.

Street Trash, de Jim Muro

CURTAS:

Baiestorf: Filmes de Sangreira e Mulher Pelada, de Christian Caselli (RJ, 2004, 20 minutos) / Documentário sobre a trajetória de Petter Baiestorf, realizador catarinense precursor das produções independentes em vídeo no Brasil, que através da produtora Canibal Produções se tornou uma nas figuras mais polêmicas e emblemáticas do cinema underground brasileiro.

 Boi Bom, de Petter Baiestorf (SC, 1998, 12 minutos). Com Jorge Timm / Os preparativos para um churrasco incluem bem mais do que apenas comprar um espeto. Homem revela um método pouco ortodoxo para preparar a carne de seu churrasco. Vídeo polêmico pela intensidade visceral de suas imagens. Não recomendado para pessoas sensíveis e vegetarianos em geral. (Filmado em VHS)

Blerghhh, de Peter Baiestorf (SC, 1996, 50 minutos). Com Cesar Souza, David Camargo, Denise V, Jorge Timm / Grupo de guerrilheiros formado por dementes e pervertidos seqüestra filho junkie de um milionário. A situação se complica quando nem tudo o que deveria morrer permanece morto. Alucinada sátira sócio-política escatológica envolvendo violência e humor negro. Uma provocativa e anárquica trama típica da Canibal Produções. (Filmado em VHS)

 Coleção de Humanos Mortos, de Fernando Rick (SP, 2005, 20 minutos). Com Ulisses Granados, Tiara Curi, Marinna Anlop / Assassino desequilibrado em conflito com suas múltiplas personalidades comete atos de extrema brutalidade enquanto coleta vítimas para sua coleção de humanos mortos. Efeitos de maquiagem de Kapel Furman, um dos grandes especialistas em FX do cinema brasileiro.

Coleção de Humanos Mortos, de Fernando Rick

Confinópolis – A Terra dos Sem Chave, de Raphael Araújo (ES, 2012, 16 minutos). Com Daniel Boone, Fonzo Squizzo, Leonrado Prata / Num mundo distópico as pessoas vivem fechadas em sua própria alienação e sob o violento controle do estado. Porém, alguém sabe que em algum lugar existe uma chave para a libertação.

Confinópolis, de Raphael Araújo

Cachorro do Mato, de Maurício Ribeiro (ES, 2002, 15 minutos) / Um grupo de jovens tem seu fim de semana no campo transformado em um pesadelo sangrento quando se deparam com um abominável e faminto… cachorro do mato! Sangue e risadas nesta hilária produção amadora realizada no Espírito Santo.

O Curinga, de Irmãos Christofoli (RS, 2009, 17 minutos). Com Rafael Tombini, Nilson Asp, Ariane Donato / Um apartamento vazio, um homem, um baralho de cartas, e algumas pragas bíblicas. Baseado no conto Eu Não Matei o Mundo.

Dr, de Joel Caetano e Felipe Guerra (SP, 2012, minutos’). Com Oldina do Monte, Mariana Zani / Confrontado pela esposa infeliz no relacionamento e pela sogra possessiva, um homem descobre que discutir a relação nem sempre é a melhor saída para o casal. DR é o insano resultado da união de Joel Caetano e Felipe Guerra, dois dos mais notórios realizadores da atual cena independente de horror brasileira.

DR, de Joel Caetano e Felipe Guerra

Morte e Morte de Johnny Zombie, de Gabriel Carneiro (SP, 2011, 14 minutos). Com Joel Caetano, Charlene Chagas, Ana Luíza Garcia / Contaminado por uma substância tóxica, Johnny, o funcionário de uma fábrica começa a sofrer uma bizarra transformação. A repentina chegada dos amigos para uma festa em sua casa desencadeia uma fome incontrolável gerando uma inusitada e sangrenta situação.

Nove e Meia, de Filipe Ferreira (RS, 2012, 20 minutos). Com Rafael Tombini, Leonardo Machado, Herlon Holtz / Após perder a filha, atropelada por um estranho, homem se torna obcecado pelo desejo de vingança. Dramático thriller baseado no conto Nove Horas e Trinta Minutos de Rubem Fonseca.

Nove e Meia, de Filipe Ferreira

Rigor Mortis, de Fernando Mantelli e Marcello Lima (RS, 2012, 20 minutos). Com Daniel Bacchieri, Renata de Lélis, Morgana Kretzman, Patrícia Soso / Eros e Tanatos, vida e putrefação. Desejo e morte se fundem quando um casal se vê envolvido numa trama bizarra onde o marido é contaminado por uma estranha infecção.

 Raquetadas Para a Glória, de TV Quase (ES, 2011, 7 minutos). Com Daniel Furlan, Juliano Enrico, Gabriel Labanca, Keka, Raul Cheque / Para vingar a morte do amigo, Ricky Larusso procura o lendário mestre bêbado para ensinar-lhe as técnicas mortais de um jogo brutal, o frescobol! Uma produção da TV Quase, um dos mais anárquicos grupos de humor do Brasil, que produz material exclusivamente para a Internet.

Rango, de Rodrigo Portela (RS, 2007, 6 minutos). Com Cláudio Benevenga, Chico De Los Santos, Dhirley Cunha, Leonardo Barison/ Quatro homens em conflito por um punhado de carreteiro numa hilariante homenagem ao western spaghetti.

Rackets in London- The Olympic Dream, de TV Quase (ES, 2012, 7 minutos). Com Daniel Furlan, Juliano Enrico, Gabriel Labanca, Keka, Raul Cheque / Após vingar a morte de seu melhor amigo Ricky Larusso vai para a Inglaterra lutar para que transformem o frescobol em um esporte olímpico. Porém, um novo vilão tentará atrapalhar os seus planos. A trupe da TV Quase invade Londres nesta ainda mais absurda seqüência de Raquetadas Para a Glória.

O Solitário Ataque de Vorgon, de Caio D’Andrea (SP, 2011, 6 minutos). Com Boris Ramalho, Luiz Otávio Santi / Não há nada mais perigoso do que um monstro com o coração partido.

O Solitário Ataque de Vorgon, de Caio D’Andrea

Sangue e Goma, de Renata Heinz (RS, 2011, 14 minutos). Com Rafaela Cassol, Leonardo Machado, Beto Mônaco / Ella não consegue fugir de seu destino e esbarra na afirmação constante de que as coisas podem não ser o que aparentam.

Sangue e Goma, de Renata Heinz

Testículos, de Chistian Caselli (RJ, 2001, 15 minutos). Com Clara Linhart, Lois Lancaster, Rodrigo dos Santos / Um convite para almoçar na casa de um antigo amigo toma rumos surreais quando um exótico prato é servido.  Com a participação de Lois Lancaster, vocalista da lendária e insólita banda carioca Zumbi do Mato.

X-Paranóia, de Cristian Cardoso e Felipe Moreira (RS, 2012, 14 minutos). Com César Scortegagna, Cristian Cardoso, Tiana Moon / Diversas teorias conspiratórias transformam o simples ato de comer um X numa lanchonete em uma aventura complexa, fazendo com que um homem comece a questionar sua própria sanidade.

Vontade, de Fabiana Servilha (SP, 2011, 10 minutos). Com Alexandre Rabello, Douglas Domingues, Marina Ballarin / Após um exaustivo dia de trabalho, Luís acorda no meio da madrugada. Desesperado, sai às ruas em uma busca misteriosa. Conforme o tempo passa, fica cada vez mais difícil conseguir o que procura. A vontade é cruel e inexorável, e precisa ser saciada a qualquer custo.

Vontade, de Fabiana Servilha

UMA PRODUÇÃO CINEMA EX MACHINA & TOQUE DE MUERTO

APOIO:

3 Comentários

Arquivado em Ação, Cinema brasileiro, Cinema Nacional Porra!, Comédia, Diretores, Divulgação, Documentário, Fantasia, Fantástico, gore, Horror, Humor, humor negro, Mostras, Sci-fi, spaguetti western, Suspense, Thriller, western spaghetti

KENJI MIZOGUCHI E LANÇAMENTO DA REVISTA DE CINEMA AURORA NA SALA P.F. GASTAL!

Senhorita Oyu (Oyû-sama, 1951), de Kenji Mizoguchi

“No próximo sábado, dia 23 de junho, às 17h, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) realiza o lançamento da revista eletrônica Aurora, resultado de uma pesquisa iniciada em 2011 pelo Grupo de Estudos em Cinema (www.grupodecinema.com). Nesta sua primeira edição, a revista traz entrevistas e uma série de artigos sobre a mise en scène cinematográfica, estabelecendo o diálogo fundamental com a pintura, o teatro, a literatura e a televisão. Do cinema clássico às possibilidades contemporâneas, os textos exploram a questão da mise en scène propondo abordagens de fôlego, dedicadas a  lançar novos olhares sobre o tema.

O lançamento da Aurora também marca o início da parceria do grupo que a edita com a Sala P. F. Gastal, através da realização de sessões mensais a partir do segundo semestre de 2012, com a intenção de incentivar a reflexão de temas significativos da história do cinema na cidade de Porto Alegre. Na sessão de lançamento será exibido Senhorita Oyu (Oyû-sama, Japão, 1951), uma das obras-primas de Kenji Mizoguchi, mestre do cinema japonês, sobre o qual há um texto nesta primeira edição da revista.

Nos anos 1950, a crítica ocidental descobre Mizoguchi e encontra em sua obra a referência para poder pensar amise en scène no cinema. Ao lado de Otto Preminger, o realizador japonês foi das poucas unanimidades entre gregos e troianos da cinefilia francesa que viam namise en scène o sentido primeiro da arte cinematográfica. Provavelmente a mais bela história de amor já filmada, Senhorita Oyu representa o momento em que o cineasta encontra a maturidade definitiva, que permaneceria nos anos seguintes em obras célebres como Contos da Lua Vaga (1953) e O Intendente Sansho(1954). O filme será exibido em DVD, com legendas em português. A entrada é franca. Após a exibição de Senhorita Oyu, haverá um debate com os editores da revista Aurora, Leonardo Bomfim e Pedro Henrique Gomes.”

Quem levar seu pendrive, sai com o PDF da nova publicação de cinema.

Informações detalhadas:

Quando: sábado, dia 23 de junho, às 17h

Onde: Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (Av. Pres. João Goulart, 551 /3º andar)

Contato: www.grupodecinema.com / contato@grupodecinema.com

Deixe um comentário

Arquivado em Divulgação

MOSTRA HERZOG DOCUMENTARISTA.

Através de uma parceria entre o Goethe-Institut Porto Alegre e o CineBancários, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) recebe entre os dias 6 e 18 de setembro a mostra Sou o que São Meus Filmes, que reúne parte significativa da produção documental realizada pelo cineasta alemão Werner Herzog. Dividida entre as duas salas, a programação tem entrada franca. No dia 8 de setembro, o cinema da Usina realiza a pré-estreia do premiado filme brasileiro Além da Estrada, de Charly Braun, que a partir de sexta-feira, dia 9 de setembro, divide horários com a mostra dedicada a Herzog.

 Herzog Documentarista

 Figura central do Novo Cinema Alemão, Werner Herzog é conhecido sobretudo pela sua filmografia ficcional, marcada por títulos inquietantes como O Enigma de Kaspar HauserAguirre, a Cólera dos Deuses, Nosferatu o Fantasma da Noite ou Fitzcarraldo, com seus personagens rebeldes, solitários e incompreendidos. Paralelamente, no entanto, o diretor alemão desenvolveu uma sólida carreira como documentarista. É este “outro Herzog” que o público local poderá conhecer na presente mostra, na qual serão exibidos 23 títulos, divididos em cinco temáticas: Sobre Werner HerzogCriação e Apocalipse, O Início e o Fim da Linguagem, Guerreiro e Perpetrador e Decolagem e Queda.Os documentários foram produzidos entre 1965 e 2005 e incluem desdeHércules, seu trabalho de estreia de 1965, passando por Balada de um Pequeno Soldadode 1984, até os mais recentes, como Além do Azul Selvagem, de 2005, O Diamante Branco, de 2004. Todos os filmes têm legendas em português.

PROGRAMAÇÃO

 Sobre Werner Herzog

Sou o que São Meus Filmes – Parte 1

Direção: Christian Weisenborn, Erwin Keusch, colorido, 93 min., 1976-78.

Um retrato de Werner Herzog em sua fase inicial, que procura, sobretudo, sondar o homem por trás do artista. Ele se nutre da proximidade do entrevistador, proximidade esta produz instrutivos momentos de perplexidade.

Sou o que são Meus Filmes – Parte 2 – 30 Anos Depois

Direção: Christian Weisenborn, colorido, 97 min., 2009/10. Legendas em inglês

Christian Weisenborn já havia feito um documentário sobre Herzog em 1976/78. Desta vez, ele visita Werner Herzogem Los Angeles, entrevistando-o minuciosamente sobre seus documentários. Uma entrevista com várias cenas de filmes.

Werner Herzog – Retrato de um Diretor

Direção: Werner Herzog, colorido, 30 min., 1986.

Um breve autorretrato de Werner Herzog, em que se mesclam relatos, fragmentos de filmes e pequenas cenas documentais, entre as quais uma visita do diretor à lendária historiadora do cinema e sua grande amiga, Lotte Eisner, em Paris.

Até o Fim – E Além

Direção: Peter Buchka, 60 min., colorido, 1988.

Um retrato de Werner Herzog elaborado a partir de declarações do diretor e de cenas de seus filmes.

Criação e Apocalipse

Fata Morgana

Direção: Werner Herzog, colorido, 79 min, 1970.

Uma viagem pela África, poética e surreal, como um sonho, fragmentária, por ser destituída de qualquer história, ainda assim amparada em uma coerência interna. Herzog confronta os mitos da criação com imagens da destruição.

Hércules

Direção: Werner Herzog 10 min, p/b, 1962 – 1965

O trabalho de estreia de Herzog busca já a imperceptível transgressão do mero documentário e evoca um tema central de suas obras: o ridículo da revolta titânica.

La Soufrière

Direção: Werner Herzog, colorido, 31 min., 1976.

Verão de 1976: há uma ameaça de uma erupção devastadora do vulcão “La Soufrière” na ilha de Guadalupe, Antilhas Francesas. A ilha é evacuada. Werner Herzog e sua equipe de filmagem ficam para filmar a catástrofe – e aguardam a erupção em vão.

Lições da Escuridão

Direção: Werner Herzog, colorido, 55 min., 1992.

Pouco antes da segunda Guerra do Golfo, tropas iraquianas incendiaram campos de petróleo e terminais durante sua retirada do Kuait. Herzog e seu cinegrafista tentam registrar o inconcebível, o apocalipse, através de suas imagens.

Pastores do sol

Direção: Werner Herzog, colorido, 50 min, 1989.

Tendo como ponto de partida uma festa, que se realiza anualmente, Herzog retrata a tribo nômade dos wodaabe, no sul do Saara. Em momento algum, ele suprime o desconhecido e o irritante em suas observações, enfatizando, assim, a identidade inconfundível da antiga tribo do povo dos fulbes.

O Início e o Fim da Linguagem

Últimas Palavras

Direção: Werner Herzog, p/b, 13 min., 1967.

O cenário é o nordeste da ilha de Creta: a polícia usa de violência para levar um homem da ilha de Spinalonga para a ilha principal. Esse homem, um tocador de lira, se recusa a fazer qualquer declaração sobre suas experiências. As pessoas fazem suas próprias suposições.

O País do Silêncio e da Escuridão

Direção: Werner Herzog, colorido, 85 min., 1971.

Aparentemente este é um documentário sobre surdos-cegos: alguns encontraram refúgio num asilo; outros estão abandonados sem esperança alguma. Num plano mais profundo, o espectador descobre um ensaio fílmico e sensorial sobre a comunicação, que também constitui o momento do devir humano.

How Much Wood Would a Woodchuck Chuck

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min, 1976.

Observações sobre o Campeonato Mundial dos Leiloeiros de Gado, realizado em 1975,em Fort Collins, no Colorado. Herzog observa a ladainha dos leiloeiros, que o leigo mal entende. Para o diretor, a linguagem deles, cujo som lembra o de um berimbau, tem “algo de assustador e fascinante” e poderia “ser a última poesia lírica imaginável”.

A Pregação de Huie

Direção: Werner Herzog, colorido, 42 min., 1980.

Bem no centro do Brooklyn, em uma área decadente, o bispo Huie L. Roger prega no “Greater Bible Way Temple“, e encanta os fiéis com sua paixão. Werner Herzog fascina os fieis com sua impetuosidade. Werner Herzog observa o que ocorre de forma bem tranquila e concentrada, abstendo-se de comentar.

Fé e Moeda

Direção: Werner Herzog, 44 min, colorido, 1980

Há anos, quase que diariamente, o pregador televisivo Dr. Gene Scott se põe diante da câmera pronunciando suas ideias acerca do cristianismo; elas têm como objetivo angariar doações em dinheiro.

Guerreiro e Perpetrador

Medidas Contra Fanáticos

Direção: Werner Herzog, colorido, 12 min., 1969.

Algo estranho acontece na pista de corrida de trotes (em Munique-Daglfing). Tipos quase indefiníveis surgem diante da câmera e afirmam que estariam ali exercendo seu dever de proteger os cavalos dos fanáticos. Porém, não é possível identificar uma ameaça em nenhum lugar.

A Defesa sem Precedentes do Forte Deutschkreutz

Direção: Werner Herzog, p/b, 15 min., 1966.

Quatro jovens invadem uma fortaleza antiga e abandonada e encontram armas, capacetes de aço e uniformes deixados para trás. No início, eles ainda se apropriam dos objetos de forma jocosa, mas a brincadeira ameaça virar algo mais sério. Eles se exercitam, atiram e esperam pelo inimigo, porque “têm que mostrar serviço!“

Ecos de um Império Sombrio

Direção: Werner Herzog, colorido, 87 min., 1990.

Uma busca por pistas de Jean-Bédel Bokassa (1921–1996), o ditatorial presidente e posterior imperador da África Central. O ponto de partida é a investigação do jornalista norte-americano Michael Goldsmith, que no passado por pouco escapara da morte em uma prisão de Bokassa.

O Pequeno Dieter Precisa Voar

Direção: Werner Herzog, colorido, 80 min., 1997.

Com 18 anos de idade, Dieter Dengler tinha deixado a sua cidade natal na Floresta Negra. Ele fora aos EUA para ser piloto. Após desvios pela Força Aérea, chegou à Marinha americana, ficou estacionado como piloto de caça em um porta-aviões, foi convocado para o Vietnã, abatido sobre o Laos e feito prisioneiro. Após uma fuga aventuresca, chegou à Tailândia, e de volta à sua unidade. Werner Herzog observa o homem em sua casa perto de São Francisco (EUA), vai com ele visitar a velha pátria na Floresta Negra e acompanha-o ao extremo Oriente, onde pede que Dieter Dengler reencene as estações de sua fuga. Um adendo póstumo relata o enterro de Dieter Dengler no cemitério dos soldados de Arlington em 2001.

Balada de um Pequeno Soldado

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min., 1984.

Fevereiro de 1984: Em um pedaço de terra distante e de difícil acesso na costa do Atlântico, os índios miskitos lutam contra o exército sandinista. Werner Herzog e o jornalista fotográfico Denis Reichle observam principalmente os soldados-criança nas fileiras dos miskitos.

 Decolagem e Queda

Gasherbrum

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min., 1984.

Em junho de 1984, os dois renomados alpinistas Reinhold Messner e Hans Kammerlander fazem uma expedição incomum. Eles querem conquistar em uma única escalada dois picos de mais de 8000m na Serra de Karakorum, que são o Gasherbrum 1 e o Gasherbrum 2, e isso sem equipamento de oxigênio, sem grande bagagem e sem retorno intermediário ao acampamento de base. Herzog acompanha a expedição até o acampamento de base nas geleiras eternas.

O Grande Êxtase do Entalhador Steiner

Direção: Werner Herzog, colorido, 47 min., 1973/74
Um retrato incomum do ex-campeão mundial de salto de esqui, Walter Steiner. No centro do filme está a competição de Steiner na Semana Internacional de Salto de Esqui na grande rampa de Planica

(Eslovênia) em março de 1974.

O Diamante Branco

Direção: Werner Herzog, colorido, 88 min., 2004
Werner Herzog acompanha o engenheiro aeronáutico Graham Dorrington (Universidade de Londres) à Guiana. Dorrington havia construído um pequeno dirigível com o objetivo de explorar a flora e a fauna das copas das árvores. Ele testa o dirigível próximo às cataratas de Kaieteur. Para o diretor não se trata de uma exploração na busca de conhecimentos biológicos, mas da observação de pessoas em situações extremas.

Além do Azul Selvagem

Direção: Werner Herzog, colorido, 81 min, 2005.

Um extraterrestre relata sua fuga de um planeta congelado em uma galáxia longínqua; discorre sobre as tentativas de se estabelecer na Terra e por fim revela seu conhecimento secreto, conseguido também pela CIA, acerca de uma viagem em direção oposta. Na busca por um novo habitat, cinco astronautas viajam pelo universo e exploram o planeta abandonado, “além do azul selvagem“. Quando retornam após 820 anos, a Terra está inabitada.

 

GRADE DE HORÁRIOS

Semana de 6 a 11 de setembro de 2011

 Terça-feira (6 de setembro)

14:00 – Seminário Fundação Social Itaú (até as 18h)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

19:00 – O Pequeno Dieter (80 minutos)  + Balada de um Pequeno Soldado (45 minutos)

Quarta-feira (7 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Além do Azul Selvagem (81 minutos)

17:00 – Sou o que São Meus Filmes – Parte 1  (93 minutos)

19:00 – Sou o que São Meus Filmes – Parte 2 (97 minutos)

Quinta-feira (8 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – O Diamante Branco (88 minutos)

17:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

20:00 – Pré-estreia Além da Estrada (entrada franca)

Sexta-feira (9 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

Sábado (10 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – O Diamante Branco (88 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

Domingo (11 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

 

Deixe um comentário

Arquivado em Diretores, Documentário, Mostras