Arquivo da categoria: nonsense

A VINGANÇA DOS FILMES B- PARTE 3

vingança_03
Foto do Cartaz: Priscila Poletti e Diego Bertoldi
Arte final: Marcelo Lim

Deixe um comentário

02/12/2013 · 1:30

GÁS! DE ROGER CORMAN NO PROJETO RAROS!

gasss_02

Uma nova arma química é testada pelo exército provocando um efeito inesperado, o gás letal se espalha pela atmosfera do planeta matando qualquer ser humano com a idade acima de 25 anos. Assim o mundo inesperadamente fica sob total controle dos jovens. Repleta de psicodelia, humor nonsense e rock’n’roll, esta comédia apocalíptica dirigida pelo lendário Rei dos Filmes B,  Roger Corman, é o próximo filme que o Projeto Raros apresenta na Sala P. F. Gastal, sexta-feira, 04 de outubro, às 20 horas.

Realizado durante a efervescência do movimento flower power, Gás! da continuidade a uma série de filmes anárquicos envolvendo a contracultura americana que começaram a ser produzidos após o sucesso de Sem Destino (Easy Rider, 1969), de Dennis Hopper. Descontente com os cortes impostos pelos produtores e pela péssima recepção nas gas_01bilheterias, Gás! foi a última parceria de Roger Corman com a produtora AIP, com quem havia realizado dezenas de filmes. Corman dirigiria apenas mais um filme nos anos setenta, O Barão Vermelho (Von Richthoffen and Brown, 1971), voltando à direção apenas em 1990 com Frankenstein – O Monstro das Trevas (Frankenstein Unbound). Nesse período longe da direção Corman seguiu com a carreira de produtor que o tornara lendário, realizando entre 1954 até agora mais de 300 filmes.

Uma curiosidade de Gás! é a presença da então desconhecida atriz Tally Coppola, que a partir de O Poderoso Chefão (1972), dirigido pelo seu irmão Francis Ford Coppola, passaria a ser conhecida como Talia Shire.

A sessão será comentada por mim e pelo crítico Cesar Almeida, organizador do livro Cemitério Perdido dos Filmes B – Exploitation.

Gás! (Gas! -Or- It Became Necessary to Destroy the World in Order to Save It / EUA /1970), de Roger Corman. Entrada Franca.

Deixe um comentário

Arquivado em Divulgação, Humor, Mostras, nonsense, Sci-fi

A Mostra Monty Python Segue Insana na Sala P.F.Gastal!

monty-python-5023bd28a513c
Devido à boa resposta de público e a inúmeros pedidos para a sua prorrogação, a Sala P. F. Gastal (Usina do Gasômetro – 3º andar) mantém em cartaz durante a próxima semana a mostra dedicada ao grupo de humoristas ingleses Monty Python, exibindo os três filmes mais marcantes de sua carreira: Monty Python em Busca do Cálice Sagrado (1975), A Vida de Brian (1979) e O Sentido da Vida (1983). Além destes trabalhos, a mostra será complementada pela exibição de dois programas com uma seleção de sketches da série Monty Python’s Flying Circus, que revelou o grupo, além do longa-metragem Um Peixe Chamado Wanda (1988), que marcou o reencontro de alguns membros do grupo após a sua dissolução. Também será exibido Monty Python ao Vivo no Hollywood Bowl (1982), registro da lendária apresentação do grupo de humoristas no Hollywood Bowl, na qual sketches clássicos do programa de TV Monty Python’s Flying Circus e material inédito foram apresentados ao vivo no palco, de forma ainda mais hilária e nonsense.
Formado por Eric Idle, John Cleese, Graham Chapman, Michael Palin, Terry Jones e Terry Gilliam, o Monty Python surgiu na série cômicaMonty Python’s Flying Circus, um programa de televisão britânico que foi ao ar pela primeira vez em outubro de 1969. Como série televisiva, teve quatro temporadas, num total de 45 episódios. Entretanto o fenômeno Monty Python não se limitou a apenas isso, espalhando-se por shows, filmes, programas de rádio, livros e games, levando seus seis integrantes ao estrelato mundial, especialmente após o sucesso comercial e de crítica de suas investidas cinematográficas.
A Mostra Monty Python tem o apoio da MPLC Motion Picture Licensing Corporation Brasil, e pode ser conferida até domingo, dia 21 de abril.

GRADE DE HORÁRIOS
DE 16 A 21 DE ABRIL

16 de abril (terça-feira)
14:30 – 5º Festival Escolar de Cinema (sessão fechada)
17:00 – Monty Python em Busca do Cálice Sagrado / 92 minutos
19:00 – Monty Python ao Vivo no Hollywood Bowl / 77 minutos

17 de abril (quarta-feira)
14:30 – 5º Festival Escolar de Cinema (sessão fechada)
17:00 – A Vida de Brian / 94 minutos
19:00 – Monty Python’s Flying Circus Volume 1. / 90 minutos

18 de abril (quinta-feira)
14:30 – 5º Festival Escolar de Cinema (sessão fechada)
17:00 – O Sentido da Vida / 107 minutos
19:00 – Monty Python’s Flying Circus Volume 2. / 90 minutos

19 de abril (sexta-feira)
14:30 – 5º Festival Escolar de Cinema (sessão fechada)
17:00 – Monty Python em Busca do Cálice Sagrado / 92 minutos
19:00 – Um Peixe Chamado Wanda / 108 minutos

20 de abril (sábado)
15:00 – Monty Python ao Vivo no Hollywood Bowl / 77 minutos
18:00 – Sessão Aurora (aguarde divulgação)

21 de abril (domingo)
15:00 – Monty Python’s Flying Circus Volume 1. / 90 minutos
17:00 – Um Peixe Chamado Wanda / 108 minutos
19:00 – Monty Python’s Flying Circus Volume 2. / 90 minutos

PROGRAMAÇÃO

monty-python-1020x1024

Monty Python em Busca do Cálice Sagrado (Monty Python and the Holy Grail), de Terry Gilliam e Terry Jones (Inglaterra, 1975, 92 minutos)
A lenda dos Cavaleiros da Távola Redonda e sua jornada em busca do Santa Graal narrada com o humor devastador do grupo de comediantes revelados em um popular programa da televisão inglesa, aqui em sua segunda incursão no cinema – a primeira foi em 1971, com o longa episódico E Agora para Algo Completamente Diferente, nunca lançado nos cinemas brasileiros. Exibição em DVD.

A Vida de Brian (Life of Brian), de Terry Jones (Inglaterra, 1979, 94 minutos)
Uma iconoclasta versão da vida de Cristo, a partir da história de Brian, que nasce no mesmo dia em que o Messias, e passa a vida inteira sendo confundido com ele. Filme que desagradou a Igreja Católica à época de seu lançamento mas conheceu enorme sucesso nas bilheterias do mundo todo. Exibição em DVD.

O Sentido da Vida (The Meaning of Life), de Terry Jones e Terry Gilliam (Inglaterra, 1983, 107 minutos)
Uma hilariante coletânea de sketches que, como o próprio título do filme indica, procura encontrar o sentido da vida humana. A obra-prima do anárquico grupo de comediantes ingleses, reconhecida com o Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes em 1983 (premiação que reconhece o segundo melhor filme da competição principal no prestigiado festival francês). Exibição em DVD.

Monty Python’s Flying Circus – Volume 01, de Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, Terry Jones, Michael Palin (Inglaterra, 1969, 90 minutos)
Entre 1969 e 1974 o Monty Python colocou de pernas para o ar a televisão britânica com seu estilo anárquico e nonsense. O grupo acabaria se tornando uma referência contundente na comédia mundial, influenciando até mesmo programas humorísticos brasileiros como extinto TV Pirata e o atual Porta dos Fundos. O Volume 1 apresenta quadros clássicos da primeira temporada da série Flying Circus. Exibição em DVD.

Monty Python’s Flying Circus – Volume 02, de Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, Terry Jones, Michael Palin. (Inglaterra, 1970, 90 minutos)
Entre 1969 e 1974 o Monty Python colocou de pernas para o ar a televisão britânica com seu estilo anárquico e nonsense. A segunda temporada da famigerada série Flying Circus está repleta de sketches de humor ainda mais hilários e alucinados. Exibição em DVD.

Um Peixe Chamado Wanda (A Fish Called Wanda), de Charles Crichton (Inglaterra, 1988, 108 minutos)
Em Londres, quatro pessoas sem nada em comum planejam cometer um grande golpe. Mas situações inusitadas fazem com que o plano não ocorra conforme o previsto. Comédia de erros escrita e estrelada por John Cleese, com a participação de Michael Palin, outro membro remanescente da trupe Monty Python. O filme rendeu a Kevin Kline o Oscar de melhor ator coadjuvante em 1989. Exibição em DVD.

Monty Python ao Vivo no Hollywood Bowl (Monty Python Live at the Hollywood Bowl), de Terry Hughes e Ian MacNaughton (EUA, 1982, 77 minutos)
Lendária apresentação do anárquico grupo de humoristas ingleses no Hollywood Bowl. Sketches clássicos do programa de TV Monty Python’sFlying Circus e material inédito desfilam no palco de forma ainda mais hilária e nonsense.

Deixe um comentário

Arquivado em Comédia, comedy, Humor, humor negro, nonsense