Arquivo da categoria: Diário de Viagem

C’ERA UNA VOLTA IN ITALIA-BREVES RELATOS PARTE 2

Meu Vaticano fica aqui!

Existe um ditado popular para definir uma oportunidade desperdiçada, “ir a Roma e não conhecer o papa”. Obviamente não conheci o dito cujo, e garanto que tenho muitas questões atravessadas na garganta para despejar sobre o Sr. Joseph Ratzinger, porém, movido pela curiosidade histórica realizei uma breve incursão pela Santa Sé, e apenas posso dizer que fiquei mais indignado do que impressionado com a riqueza e a ostentação do Vaticano. E algumas demonstrações de fé, como as crises de choro histéricas e a bizarra figura de uma senhora de ar rancoroso, ostentando uma cruz tatuada na testa, só reforçaram alguns dos meus sentimentos anti-religiosos. O fato é que se existe um Vaticano digno de romaria para os fãs de horror, ele se chama “Profondo Rosso”, e fica na Via Dei Gracchi 260, apenas algumas quadras distante da Santa Sé.

A “Profondo Rosso” é uma loja de artigos de horror gerenciada pelo cineasta Luigi Cozzi, e de propriedade do mítico Dario Argento. Tive o prazer de conhecer o simpático Cozzi durante a sexta edição do FANTASPOA. Ele não se encontrava presente em minha visita à loja, mas fui muito bem recepcionado por sua esposa Leticia e pelo atendente Fabio. A “Profondo Rosso” é uma parada obrigatória para os cinéfilos perdidos em Roma, seja pelo fator fetichista,

os prestativos Fabio e Leticia

afinal Dario Argento tornou-se uma marca registrada do gênero horror, ou para adquirir material sobre cinema fantástico. A loja possui um bom acervo de livros, filmes, pôsteres, action figures, e outras bugigangas relacionadas a horror e fantasia que alegrarão qualquer colecionador, mas preparem os bolsos, pois os artigos não costumam ser nada baratos. O porão da loja ainda possuí um pequeno museu dedicado à obra de Argento, onde os aficionados podem ver de perto animatronics e objetos de cena utilizados em diversos de seus filmes, como “Phenomena”, “Dois Olhos Satânicos”, “Demons” e outros. Além de voltar com alguns livros sobre o horror italiano na bagagem, investi alguns salgados euros na fantástica edição em blu ray de “Pavor na Cidade dos Zumbis” (Paura Nella Città Dei Morti Viventi / 1980), de Lucio Fulci, lançada pela inglesa Arrow Films. E também não resisti a um souvenir que dificilmente encontraria por aqui, uma caneca do Lucio Fulci com imagens do diretor e de criaturas de “Zumbi 2” e “Pavor na Cidade dos Zumbis”.

Fãs de Argento e cinema fantástico em geral podem obter mais informaçõe sobre a Profondo Rosso acessando o site http://www.profondorossostore.com/

Demoni!

“Eles farão de suas catedrais, cemitérios, e de suas cidades, tumbas.”

Carne fresca nas catacumbas da Profondo Rosso! Um boneco utilizado em "Dois Olhos Satânicos".

A meiga criança psicopata de "Phenomena".

Algum fã de Argento esquecido no porão

 

Esse animatronic me causou pesadelos na infância.

1 comentário

Arquivado em Diário de Viagem, Diretores, Fantasia, Fantástico, giallo, gore, Horror, humor negro, splatter, Suspense

C’ERA UNA VOLTA IN ITALIA- BREVES RELATOS PARTE 1

O Diabo belsica meus calcanhares- Provocações no Vaticano

O Diabo belsica meus calcanhares- Provocações no Vaticano

Com mais de 2.000 anos de existência, Roma certamente merece o título de a “Cidade Eterna”. É impossível andar por suas ruas sem ser acometido pelo deslumbramento, seja pela beleza da cidade ou pela sensação de estar pisando num pedaço tão importante da própria história da humanidade.  No Coliseu pude vislumbrar a rutilância das espadas dos gladiadores, e ouvir o eco secular dos gritos desesperados dos antigos cristãos sendo devorados pelos leões. Para que um império formidável fosse erguido muito sangue escorreu através das famosas sete colinas até misturar-se ao rio Tibre, e muito mais sangue foi derramado ao redor do mundo através dos séculos após os imperadores Constantino e Teodósio absorverem o cristianismo como religião oficial do Império Romano. “A violência é uma arte italiana”, declarou certa vez um sarcástico Lucio Fulci.

Mas o meu verdadeiro interesse em Roma estava centrado mais em seu valor cinematográfico do que arqueológico.  Enquanto a maioria das pessoas faz sua romaria em direção ao Vaticano, primeiro eu caminhei religiosamente em direção a Cinecittà e até a Profondo Rosso, a famigerada loja de artigos de horror de Dario Argento e Luigi Cozzi. Os estúdios da Cinecittà, também chamada “fabbrica dei sogni”, localizam-se na Via Tuscolana 1055, na periferia de Roma (pega-se a linha A do metrô, direção Anagnina, e desembarca-se na penúltima estação, saindo diretamente na entrada dos estúdios).  Fundada em 1937 pelo ditador Benito Mussolini, com o intuito de produzir filmes que enaltecessem os valores fascistas, a Cinecittà começou a transformar-se num dos mais renomados estúdios de cinema do mundo após o fim da 2° guerra e do jugo fascista.  Sua ascensão como um dos pilares da sétima arte ocorreu a partir dos anos 50, quando se tornou o berço de realizadores notáveis como Fellini, De Sica, Visconti, Leone, Monicelli e tantos outros gênios do cinema italiano. A Cinecittà possui atualmente 22 estúdios e uma área que abrange 40 hectares, e apesar de não conter mais o mesmo brilho do passado continua em plena atividade, sendo um dos mais procurados centros de filmagem da Europa. Pelo valor de 20 euros é possível fazer uma tour guiada pelos estúdios, e visitar os sets de filmes como “Gangues de Nova Iorque”, de Martin Scorsese e da série “Roma”. O museu, que contém um belo acervo de artigos de cena de obras como “Cleópatra”, “O Último Porteiro da Noite” e tantos outros filmes rodados em seus estúdios ao longo das décadas, é de fazer verter lágrimas em qualquer cinéfilo.

http://www.cinecittastudios.it/

 

Tentando conter a emoção no pórtico de entrada

Wrestling com monstros

Uma estátua de "Satyricon" de Fellini

O notório Estúdio N°5 onde Fellini realizou a maioria de seus filmes.

Uma voltinha na Roma antiga

 

Passeando pela antiguidade- Set da série Roma

A Nova Iorque cenográfica de Scorsese

Figurinos do filme Cleópatra (1963), com Elisabeth Taylor e Richard Burton

Algum diretor esquecido nas catacumbas da Cinecittà

Emocionante Museu da Imagem da Cinecittà

 

 

5 Comentários

Arquivado em Clássico, Diário de Viagem