MOSTRA HERZOG DOCUMENTARISTA.

Através de uma parceria entre o Goethe-Institut Porto Alegre e o CineBancários, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) recebe entre os dias 6 e 18 de setembro a mostra Sou o que São Meus Filmes, que reúne parte significativa da produção documental realizada pelo cineasta alemão Werner Herzog. Dividida entre as duas salas, a programação tem entrada franca. No dia 8 de setembro, o cinema da Usina realiza a pré-estreia do premiado filme brasileiro Além da Estrada, de Charly Braun, que a partir de sexta-feira, dia 9 de setembro, divide horários com a mostra dedicada a Herzog.

 Herzog Documentarista

 Figura central do Novo Cinema Alemão, Werner Herzog é conhecido sobretudo pela sua filmografia ficcional, marcada por títulos inquietantes como O Enigma de Kaspar HauserAguirre, a Cólera dos Deuses, Nosferatu o Fantasma da Noite ou Fitzcarraldo, com seus personagens rebeldes, solitários e incompreendidos. Paralelamente, no entanto, o diretor alemão desenvolveu uma sólida carreira como documentarista. É este “outro Herzog” que o público local poderá conhecer na presente mostra, na qual serão exibidos 23 títulos, divididos em cinco temáticas: Sobre Werner HerzogCriação e Apocalipse, O Início e o Fim da Linguagem, Guerreiro e Perpetrador e Decolagem e Queda.Os documentários foram produzidos entre 1965 e 2005 e incluem desdeHércules, seu trabalho de estreia de 1965, passando por Balada de um Pequeno Soldadode 1984, até os mais recentes, como Além do Azul Selvagem, de 2005, O Diamante Branco, de 2004. Todos os filmes têm legendas em português.

PROGRAMAÇÃO

 Sobre Werner Herzog

Sou o que São Meus Filmes – Parte 1

Direção: Christian Weisenborn, Erwin Keusch, colorido, 93 min., 1976-78.

Um retrato de Werner Herzog em sua fase inicial, que procura, sobretudo, sondar o homem por trás do artista. Ele se nutre da proximidade do entrevistador, proximidade esta produz instrutivos momentos de perplexidade.

Sou o que são Meus Filmes – Parte 2 – 30 Anos Depois

Direção: Christian Weisenborn, colorido, 97 min., 2009/10. Legendas em inglês

Christian Weisenborn já havia feito um documentário sobre Herzog em 1976/78. Desta vez, ele visita Werner Herzogem Los Angeles, entrevistando-o minuciosamente sobre seus documentários. Uma entrevista com várias cenas de filmes.

Werner Herzog – Retrato de um Diretor

Direção: Werner Herzog, colorido, 30 min., 1986.

Um breve autorretrato de Werner Herzog, em que se mesclam relatos, fragmentos de filmes e pequenas cenas documentais, entre as quais uma visita do diretor à lendária historiadora do cinema e sua grande amiga, Lotte Eisner, em Paris.

Até o Fim – E Além

Direção: Peter Buchka, 60 min., colorido, 1988.

Um retrato de Werner Herzog elaborado a partir de declarações do diretor e de cenas de seus filmes.

Criação e Apocalipse

Fata Morgana

Direção: Werner Herzog, colorido, 79 min, 1970.

Uma viagem pela África, poética e surreal, como um sonho, fragmentária, por ser destituída de qualquer história, ainda assim amparada em uma coerência interna. Herzog confronta os mitos da criação com imagens da destruição.

Hércules

Direção: Werner Herzog 10 min, p/b, 1962 – 1965

O trabalho de estreia de Herzog busca já a imperceptível transgressão do mero documentário e evoca um tema central de suas obras: o ridículo da revolta titânica.

La Soufrière

Direção: Werner Herzog, colorido, 31 min., 1976.

Verão de 1976: há uma ameaça de uma erupção devastadora do vulcão “La Soufrière” na ilha de Guadalupe, Antilhas Francesas. A ilha é evacuada. Werner Herzog e sua equipe de filmagem ficam para filmar a catástrofe – e aguardam a erupção em vão.

Lições da Escuridão

Direção: Werner Herzog, colorido, 55 min., 1992.

Pouco antes da segunda Guerra do Golfo, tropas iraquianas incendiaram campos de petróleo e terminais durante sua retirada do Kuait. Herzog e seu cinegrafista tentam registrar o inconcebível, o apocalipse, através de suas imagens.

Pastores do sol

Direção: Werner Herzog, colorido, 50 min, 1989.

Tendo como ponto de partida uma festa, que se realiza anualmente, Herzog retrata a tribo nômade dos wodaabe, no sul do Saara. Em momento algum, ele suprime o desconhecido e o irritante em suas observações, enfatizando, assim, a identidade inconfundível da antiga tribo do povo dos fulbes.

O Início e o Fim da Linguagem

Últimas Palavras

Direção: Werner Herzog, p/b, 13 min., 1967.

O cenário é o nordeste da ilha de Creta: a polícia usa de violência para levar um homem da ilha de Spinalonga para a ilha principal. Esse homem, um tocador de lira, se recusa a fazer qualquer declaração sobre suas experiências. As pessoas fazem suas próprias suposições.

O País do Silêncio e da Escuridão

Direção: Werner Herzog, colorido, 85 min., 1971.

Aparentemente este é um documentário sobre surdos-cegos: alguns encontraram refúgio num asilo; outros estão abandonados sem esperança alguma. Num plano mais profundo, o espectador descobre um ensaio fílmico e sensorial sobre a comunicação, que também constitui o momento do devir humano.

How Much Wood Would a Woodchuck Chuck

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min, 1976.

Observações sobre o Campeonato Mundial dos Leiloeiros de Gado, realizado em 1975,em Fort Collins, no Colorado. Herzog observa a ladainha dos leiloeiros, que o leigo mal entende. Para o diretor, a linguagem deles, cujo som lembra o de um berimbau, tem “algo de assustador e fascinante” e poderia “ser a última poesia lírica imaginável”.

A Pregação de Huie

Direção: Werner Herzog, colorido, 42 min., 1980.

Bem no centro do Brooklyn, em uma área decadente, o bispo Huie L. Roger prega no “Greater Bible Way Temple“, e encanta os fiéis com sua paixão. Werner Herzog fascina os fieis com sua impetuosidade. Werner Herzog observa o que ocorre de forma bem tranquila e concentrada, abstendo-se de comentar.

Fé e Moeda

Direção: Werner Herzog, 44 min, colorido, 1980

Há anos, quase que diariamente, o pregador televisivo Dr. Gene Scott se põe diante da câmera pronunciando suas ideias acerca do cristianismo; elas têm como objetivo angariar doações em dinheiro.

Guerreiro e Perpetrador

Medidas Contra Fanáticos

Direção: Werner Herzog, colorido, 12 min., 1969.

Algo estranho acontece na pista de corrida de trotes (em Munique-Daglfing). Tipos quase indefiníveis surgem diante da câmera e afirmam que estariam ali exercendo seu dever de proteger os cavalos dos fanáticos. Porém, não é possível identificar uma ameaça em nenhum lugar.

A Defesa sem Precedentes do Forte Deutschkreutz

Direção: Werner Herzog, p/b, 15 min., 1966.

Quatro jovens invadem uma fortaleza antiga e abandonada e encontram armas, capacetes de aço e uniformes deixados para trás. No início, eles ainda se apropriam dos objetos de forma jocosa, mas a brincadeira ameaça virar algo mais sério. Eles se exercitam, atiram e esperam pelo inimigo, porque “têm que mostrar serviço!“

Ecos de um Império Sombrio

Direção: Werner Herzog, colorido, 87 min., 1990.

Uma busca por pistas de Jean-Bédel Bokassa (1921–1996), o ditatorial presidente e posterior imperador da África Central. O ponto de partida é a investigação do jornalista norte-americano Michael Goldsmith, que no passado por pouco escapara da morte em uma prisão de Bokassa.

O Pequeno Dieter Precisa Voar

Direção: Werner Herzog, colorido, 80 min., 1997.

Com 18 anos de idade, Dieter Dengler tinha deixado a sua cidade natal na Floresta Negra. Ele fora aos EUA para ser piloto. Após desvios pela Força Aérea, chegou à Marinha americana, ficou estacionado como piloto de caça em um porta-aviões, foi convocado para o Vietnã, abatido sobre o Laos e feito prisioneiro. Após uma fuga aventuresca, chegou à Tailândia, e de volta à sua unidade. Werner Herzog observa o homem em sua casa perto de São Francisco (EUA), vai com ele visitar a velha pátria na Floresta Negra e acompanha-o ao extremo Oriente, onde pede que Dieter Dengler reencene as estações de sua fuga. Um adendo póstumo relata o enterro de Dieter Dengler no cemitério dos soldados de Arlington em 2001.

Balada de um Pequeno Soldado

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min., 1984.

Fevereiro de 1984: Em um pedaço de terra distante e de difícil acesso na costa do Atlântico, os índios miskitos lutam contra o exército sandinista. Werner Herzog e o jornalista fotográfico Denis Reichle observam principalmente os soldados-criança nas fileiras dos miskitos.

 Decolagem e Queda

Gasherbrum

Direção: Werner Herzog, colorido, 45 min., 1984.

Em junho de 1984, os dois renomados alpinistas Reinhold Messner e Hans Kammerlander fazem uma expedição incomum. Eles querem conquistar em uma única escalada dois picos de mais de 8000m na Serra de Karakorum, que são o Gasherbrum 1 e o Gasherbrum 2, e isso sem equipamento de oxigênio, sem grande bagagem e sem retorno intermediário ao acampamento de base. Herzog acompanha a expedição até o acampamento de base nas geleiras eternas.

O Grande Êxtase do Entalhador Steiner

Direção: Werner Herzog, colorido, 47 min., 1973/74
Um retrato incomum do ex-campeão mundial de salto de esqui, Walter Steiner. No centro do filme está a competição de Steiner na Semana Internacional de Salto de Esqui na grande rampa de Planica

(Eslovênia) em março de 1974.

O Diamante Branco

Direção: Werner Herzog, colorido, 88 min., 2004
Werner Herzog acompanha o engenheiro aeronáutico Graham Dorrington (Universidade de Londres) à Guiana. Dorrington havia construído um pequeno dirigível com o objetivo de explorar a flora e a fauna das copas das árvores. Ele testa o dirigível próximo às cataratas de Kaieteur. Para o diretor não se trata de uma exploração na busca de conhecimentos biológicos, mas da observação de pessoas em situações extremas.

Além do Azul Selvagem

Direção: Werner Herzog, colorido, 81 min, 2005.

Um extraterrestre relata sua fuga de um planeta congelado em uma galáxia longínqua; discorre sobre as tentativas de se estabelecer na Terra e por fim revela seu conhecimento secreto, conseguido também pela CIA, acerca de uma viagem em direção oposta. Na busca por um novo habitat, cinco astronautas viajam pelo universo e exploram o planeta abandonado, “além do azul selvagem“. Quando retornam após 820 anos, a Terra está inabitada.

 

GRADE DE HORÁRIOS

Semana de 6 a 11 de setembro de 2011

 Terça-feira (6 de setembro)

14:00 – Seminário Fundação Social Itaú (até as 18h)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

19:00 – O Pequeno Dieter (80 minutos)  + Balada de um Pequeno Soldado (45 minutos)

Quarta-feira (7 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Além do Azul Selvagem (81 minutos)

17:00 – Sou o que São Meus Filmes – Parte 1  (93 minutos)

19:00 – Sou o que São Meus Filmes – Parte 2 (97 minutos)

Quinta-feira (8 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – O Diamante Branco (88 minutos)

17:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

20:00 – Pré-estreia Além da Estrada (entrada franca)

Sexta-feira (9 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

Sábado (10 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – O Diamante Branco (88 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

Domingo (11 de setembro)

Mostra Werner Herzog (entrada franca)

15:00 – Gasherbaum  (45 minutos) + O Grande Êxtase do Entalhador Steiner (47 minutos)

17:00 – Além da Estrada

19:00 – Além da Estrada

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Diretores, Documentário, Mostras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s